fbpx

Tribunais Superiores lançam novas decisões sobre PIS e COFINS

Indicamos

Fim do voto de qualidade impulsiona decisões favoráveis aos contribuintes no CARF

A exclusão da vitória do Fisco, nos casos de empate em votações pelo Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF),...

Julgamento sobre créditos de ICMS inicia com voto favorável aos contribuintes no STF

Na última sexta-feira, 07/08, o Supremo Tribunal Federal (STF) deu início, pelo Plenário Virtual, ao julgamento do RE 601.967,...

Não incide contribuição previdenciária sobre o salário maternidade

Com o placar de 7 votos a 4, o Supremo Tribunal Federal (STF) encerrou nesta terça-feira, dia 04/08, o...

Duas importantes decisões dos Tribunais Superiores marcaram a temática do PIS e da COFINS nos últimos dias.

No âmbito do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a Primeira Turma proveu recurso de distribuidora de medicamentos que visava a manutenção dos créditos de contribuição ao PIS e à COFINS não cumulativos, quando da aquisição de mercadorias submetidas ao regime monofásico em alíquota zero.

Com a decisão, foi reformado acórdão proferido pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região que denegou mandado de segurança impetrado objetivando o creditamento, sob o subterfúgio de que as operações não haveria direito a um segundo benefício fiscal, em razão do princípio da não cumulatividade.

Ao julgar o Recurso Especial (REsp) n.º 1.861.190/RS, a Primeira Turma, com relatoria da Min. Regina Helena Costa, reconheceu o direito da Recorrente à apuração dos créditos de PIS e COFINS no regime monofásico, conforme o art. 17 da Lei n.º 11.033/04, para posterior pedido de compensação, ressaltando que o privilégio disposto no aludido dispositivo não se limita à esfera do Regime Tributário para Incentivo à Modernização e à Ampliação da Estrutura Portuária – REPORTO, sendo extensível a situações análogas.

A Julgadora enfatizou também que, para os tributos de configuração diversa, em que pese norteados pelo princípio da capacidade contributiva, o regime não cumulativo deve observar a técnica “base sobre base”, consubstanciada na aplicação da alíquota sobre a diferença entre as receitas auferidas e aquelas tidas como necessárias, ou seja, de consumo imprescindível pela fonte produtora.

Já no Supremo Tribunal Federal (STF), sobreveio decisão unânime pela constitucionalidade da transição entre o sistema cumulativo para o não cumulativo em matéria de PIS e COFINS, ao apreciar o Recurso Extraordinário (RE) n.º 587.108/RS, interposto por rede de supermercados.

Encerrando a discussão acerca da celeuma, com repercussão geral categorizada sob o Tema 179 da Corte Suprema, o Relator Min. Edson Fachin consignou a tese nos seguintes termos: “Em relação às contribuições ao PIS/COFINS, não viola o princípio da não-cumulatividade a impossibilidade de creditamento de despesas ocorridas no sistema cumulativo, pois os créditos são presumidos e o direito ao desconto somente surge com as despesas incorridas em momento posterior ao início da vigência do regime não-cumulativo”.

Fontes: Supremo Tribunal Federal (STF), Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

Fotografia: Freepik

Últimas postagens

Relacionados

X