Entenda o conceito de tributo e direito fiscal

Indicamos

Recuperação Tributária. Um exemplo a ser seguido pelos Estados

O Prof. Dr. Felipe Ferreira Silva escreveu artigo para a Revista Amanhã, publicado no dia 17/01, no qual trata...

Observações sobre o relatório de Preços de Transferência da RFB e OCDE

Em sua coluna quinzenal, o Prof. Dr. Felipe Ferreira Silva, Diretor Geral da FBT, traz observações sobre o relatório...

Especialização em Compliance e Gestão Tributária EAD

O objetivo do curso de Especialização em Compliance e Gestão Tributária EAD é, a partir do desenvolvimento de competências ligadas ao compliance...

Conceito

O direito fiscal, no Brasil, é sinônimo para direito tributário. Resumidamente, trata-se da área do direito financeiro que decide como e quanto as pessoas físicas ou jurídicas devem pagar de tributos e outras obrigações para o Estado. No contexto brasileiro, é uma área do direito extremamente importante visto que a malha tributária presente é uma das mais complexas e onerosas do mundo.

Utilidade

Serve essencialmente para mediar as relações jurídicas entre o Estado e as pessoas de direito privado, concernentes à instituição, imposição, escrituração, fiscalização e arrecadação dos impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições especiais.

O que é tributo?

O tributo é uma obrigação de pagar, criada por lei, impondo aos indivíduos o dever de entregar parte de suas rendas e patrimônio para a manutenção e desenvolvimento do Estado, afinal vivemos em sociedade e o Estado deve representá-la se fazendo presente nas áreas de interesse desta, sobretudo saúde, educação, segurança, política econômica, entre outras.

Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa plenamente vinculada.

Em termos gerais classificam-se cinco espécies de tributos: impostos, taxas, contribuições de melhoria, empréstimos compulsórios e contribuições parafiscais, as quais se identificam como segue:

a) Impostos: incidem, por exemplo, sobre a propriedade de imóvel urbano (IPTU), a disponibilidade de renda (Imposto sobre a Renda), a propriedade de veículo automotor (IPVA), entre outros.

b) Taxas: as taxas decorrem de atividades estatais, tais como os serviços públicos ou do exercício do poder de polícia. Exemplos: custas judiciais e a taxa de licenciamento de veículos.

c) Contribuições de Melhoria: as contribuições de melhoria se originam da realização de obra pública que implique valorização de imóvel do contribuinte. Por exemplo: benfeitorias no entorno do imóvel residencial.

d) Empréstimos compulsórios: têm por finalidade buscar receitas para o Estado a fim de promover o financiamento de despesas extraordinárias ou urgentes, quando o interesse nacional esteja presente e;

e) Contribuições Parafiscais: são tributos instituídos para promover o financiamento de atividades públicas. São, portanto, tributos finalísticos, ou seja, a sua essência pode ser encontrada no destino dado, pela lei, ao que foi arrecadado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas postagens

Especialização em Compliance e Gestão Tributária EAD

O objetivo do curso de Especialização em Compliance e Gestão Tributária EAD é, a partir do desenvolvimento de competências ligadas ao compliance tributário, proporcionar aos profissionais envolvidos...

Relacionados

Precisa de ajuda? Converse conosco
X